Polícia

VIOLÊNCIA » Polícia contra-ataca Para coibir ação de criminosos que estão queimando ônibus, policiamento será reforçado na capital e região metropolitana. Neste ano, 18 veículos foram incendiados e 15 pessoas foram detidas

Publicação: 15/02/2017 04:00

Paulo Henrique Lobato
Cristiane Silva

Desde domingo, 10 ônibus foram incendiados na Grande Belo Horizonte, numa série de ataques que apavora usuários, atormenta tripulantes e desafia as instituições de segurança pública a pôr fim a uma espécie de poder paralelo que ameaça ganhar espaço fora do sistema prisional e regiões extremamente carentes. A Polícia Militar prendeu 15 suspeitos e anunciou o reforço na patrulha. Parte das ações pode ser uma retaliação ao assassinato de um criminoso, em Sarzedo, em fevereiro.

Os ataques desta semana elevaram para 18 o total de coletivos queimados na região metropolitana em 2017, sendo 11 na capital, três em Sarzedo, dois em Contagem, um em Betim e outro em Vespasiano. Embora o balanço se refira apenas ao primeiro bimestre incompleto, o total de ônibus destruídos em BH já supera o de todos os anos cheios desde 2008, início do contrato entre a prefeitura e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de BH (Setra).

O mesmo vale para os veículos que fazem as linhas metropolitanas. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram), embora não tenha divulgado as estatísticas de anos anteriores, avalia que a onda de violência de 2017 é a maior de todos os tempos. “Acredito que este seja o ano mais violento. Causa um trauma a passageiros e funcionários”, lamentou Marcos da Costa Negraes, gerente de Operações da entidade.

Além do trauma citado pelo diretor, os ataques geram outras formas de prejuízos. Às companhias, a perda é, sobretudo, financeira. Cada coletivo convencional custa em torno de R$ 360 mil. Portanto, 18 ônibus novos geram um custo de aproximadamente R$ 6,5 milhões. No caso dos usuários, a perda é o risco de depender de uma linha desfalcada. Conforme os sindicatos, caso não haja veículo reserva na frota, um ônibus novo pode levar de três meses a seis meses para ser reposto.

Empresários e oficiais da PM vão se reunir, provavelmente amanhã, para traçar estratégias que evitem novos crimes. De imediato, o major Flávio Santiago, chefe da sala de Imprensa da PM, disse que o coronel Winston Coelho Costa, comandante do policiamento da capital, determinou que uma viatura seja destinada para cada uma das 37 companhias da 1ª Região de Policiamento da Grande BH.

“As patrulhas vão apoiar nas rondas e operações para coibir esses atos. São viaturas para reforçar a segurança e as operações já em curso da PM, de todas as maneiras”, disse o major.

Um dos 15 detidos pela corporação foi encontrado, na madrugada de ontem, em casa, onde militares localizaram uma pistola ponto 40. Trata-se de Alan Patrick Antony Ramos, de 21 anos, suspeito de articular alguns dos ataques. No aparelho de telefone celular dele, havia mensagens trocadas com outros suspeitos. Segundo os investigadores, o rapaz determinava o horário para queimar os coletivos.

Também havia uma mensagem sobre um recado escrito em folhas de papel colocadas nos coletivos após os incêndios. A mensagem diz o seguinte: “O motivo de estarmos colocando fogo nos ônibus é pelas covardias que estão sendo feitas com os irmãos de Sarzedo. Estamos fechados com todas as comunidades.”

“As primeiras informações vêm das mensagens dele trocadas com comparsas ordenando os ataques. Tudo ainda está em nível de investigação para apurar esses incêndios”, finalizou o major.

audácia

A luz do dia não intimida os criminosos que atacaram ônibus esta semana. A audácia dos marginais não se limitou à escuridão. Ontem, por exemplo, um coletivo foi consumido pelas chamas, em Contagem, por volta das 16h40.

A PM informou que uma dupla ordenou que o motorista parasse o veículo, próximo ao a um aglomerado vizinho ao Bairro Beatriz, e determinou que todos descessem. Os homens jogaram um líquido inflamável e atearam fogo.

Além dos 18 ônibus incendiados, outros três foram alvos de tentativas frustadas. Um deles por volta do meio-dia de ontem em Sarzedo. Duas pessoas colocaram fogo na cortina atrás do motorista que dirigia um 3651 (Sarzedo/Bairro Brasília).

Enquanto os criminosos davam no pé, populares conseguiram conter as chamas. Este caso não entra na contagem dos veículos incendiados. Por outro lado, um coletivo foi incendiado em Vespasiano, na segunda passada, às 13h30.
Às 14h do mesmo dia, um ônibus fretado da empresa Rio Negro foi incendiado em Sarzedo. No mesmo dia e cidade, um coletivo da linha 3711 (Sarzedo-Anchieta) foi incendiado, na Rua Belmiro Gomes, em Sarzedo.

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.