Polícia

BELO HORIZONTE » Policial no alvo Investigadora é baleada e morta durante assalto na porta de casa, no Bairro Nova Suissa. Forte aparato policial foi montado na busca por suspeitos

Andréa Silva

Publicação: 02/09/2014 04:00

A investigadora Maria Regina de Almeida, de 48 anos, se preparava ontem para dar início a mais uma semana de trabalho. Levantou cedo, se arrumou, tomou café na companhia dos dois filhos – um adolescente de 15 anos e um rapaz de 21 –, e saiu. Mas ela não conseguiu ir muito longe. Assim que atravessou com seu carro, um Hyundai HB20 cinza, o portão da garagem do prédio onde morava, na Rua Monte Simplon, Bairro Nova Suissa, Região Oeste de Belo Horizonte, foi rendida por criminosos armados. Não se sabe se a policial civil, com mais de 24 anos de profissão e a um de se aposentar, reagiu. Maria Regina foi baleada no peito e no ombro. Ela chegou a ser socorrida, mas já deu entrada na Unidade de Ponto-Atendimento (UPA) Oeste com quadro de parada cardiorrespiratória e morreu minutos depois.


Os filhos da investigadora foram os primeiros a encontrá-la baleada, caída na rua. Quando eles ouviram os disparos correram para ver o que havia ocorrido. Assim que chegaram na entrada do prédio, eles encontraram a mãe sangrando, já inconsciente, caída ao lado da arma dela. Uma viatura do 5º BPM chegou no local em seguida e socorreu a mulher.


Os bandidos já haviam fugido, levando o HB20 e a bolsa da vítima. O carro foi localizado logo após o crime, na entrada do Aglomerado Ventosa, a poucos quilômetros de onde a vítima foi baleada. Em menos de meia hora, o local foi tomado por cerca de 50 viaturas das políciais Militar e Civil. Mais de cem policiais percorreram becos e vielas da favela. A princípio, a polícia trabalha com informações de que pelo menos três homens, traficantes do aglomerado, participaram do latrocínio (roubo seguido de morte). Os três já teriam, inclusive, sido identificados.


Por meio de recursos tecnológicos, a foto e o histórico criminal de um dos supostos autores, identificado como Cláudio Cordeiro dos Santos, 35, o Piui, foram passados rapidamente para os celulares de todos os policiais – investigadores, subinspetores, inspetores e delegados, soldados, cabos, sargentos, subtenentes, tenentes e capitão – envolvidos na missão de localizar e prender os responsáveis pela morte da investigadora. Helicópteros das duas corporações sobrevoaram o aglomerado, principalmente a mata que fica em um dos extremos da Ventosa, mas até o fechamento desta edição nenhum suspeito havia sido preso.


O carro da vítima foi periciado ainda no local onde foi abandonado. Peritos recolheram digitais encontradas no HB 20 para possível identificação do criminoso que roubou e conduziu o veículo.


O delegado Jeferson Botelho Pereira, Superintendente de Investigação e Polícia Judiciária, disse que prisão dos autores é uma questão de tempo. “Já está sendo investigado como foi a dinâmica do crime, se a Maria Regina reagiu. As informações primárias é de que havia um veículo na cobertura e apenas um rendeu e baleou a investigadora. O estado nesse caso também é vítima. Por isso a necessidade de termos uma resposta imediata”, disse o policial.

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.