Polícia

CAPITAL » Morte na garagem Jovem de 23 anos é executado no estacionamento do prédio onde morava. Uma mulher loira abriu o portão para homicidas entrarem no local

Andréa Silva

Publicação: 20/11/2014 04:00

A garagem de um prédio na Rua João Alexandre Pires, no Bairro Milionários, Região do Barreiro, em Belo Horizonte, foi palco de um assassinato no fim da noite de anteontem. O jovem Thiago Oliveira de Souza, de 23 anos, o Tóia, morador do prédio, conversava com a namorada e uma amiga quando um rapaz armado entrou no estacionamento, atirou várias vezes nele e saiu. Na sequência, um outro homem se aproximou do local onde a vítima agonizava e fez mais dois disparos contra sua cabeça. Testemunhas contaram à Polícia Militar que os autores só conseguiram entrar no edifício porque uma mulher loira abriu o portão social do lado de fora e os chamou.

A namorada e a amiga do rapaz contaram à PM que elas estavam sentadas em um canto com a vítima e que todos os portões de acesso às áreas internas estavam trancadas. Elas ouviram o barulho do portão social sendo destrancado pelo lado de fora. Assim que olharam, viram a loira do lado de fora, sinalizando para alguém entrar. No momento em que o primeiro rapaz começou a atirar em Souza, as duas jovens se jogaram no chão. Elas fingiram que estavam mortas.

De acordo com a PM, o jovem assassinado é filho de um militar reformado do Corpo de Bombeiros e morava em um dos apartamentos do segundo andar com a irmã, de 27 anos. A mulher estava em casa na hora do crime e contou aos militares do 41º BPM que ao ouvir os tiros ela correu para janela. Foi quando viu um Fiat Palio vermelho ou vinho saindo em alta velocidade. O carro, possivelmente era ocupado pelos envolvidos no assassinato. Souza morreu na hora, baleado pelo menos nove vezes.

Vizinhos chegaram a pedir socorro ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas quando o resgate chegou a equipe médica confirmou que o jovem já estava morto. A suspeita é de que ele tenha sido executado por vingança. A irmã contou aos policiais que Souza já havia sido preso por tráfico de drogas e tinha uma rixa com criminosos da Vila Três Campos, aglomerado que fica próximo ao prédio.

O assassinato de Thiago de Souza foi por volta das 22h30. A PM não conseguiu levantar se a mulher loira que abriu o portão para os autores é moradora do edifício. A suspeita, segundo descrição das testemunhas, é branca, cabelo médios, bem claro e liso, é gorda, tem aproximadamente 35 anos e cerca de 1,70 metros de altura.

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.